loading...

O governo mexicano anunciou uma limpeza nas forças de segurança e expulsou 3.200 policiais federais — 9% da corporação — por suspeita de corrupção e vínculos com o narcotráfico. Outros 1.020 policiais estão na mira do governo.
Sob críticas, Calderón condena assassinato de prefeito. Família mineira aguarda notícias sobre identificação de corpo
Sob uma enxurrada de críticas do opositor Partido Revolucionário Institucional (PRI) pela renovada onda de violência no norte do país, o governo do México anunciou ontem uma limpeza nas forças de segurança — onde crescem as suspeitas de corrupção, facilitando a ação do narcotráfico.
Pelo menos 3.200 policiais federais — cerca de 9% do efetivo — foram afastados da corporação.
Segundo a Secretaria de Segurança Pública, os exonerados não teriam cumprido deveres previstos por lei — como exames de controle de confiança.
Em entrevista ao jornal “El Universal”, o comissário-geral da Polícia Federal, Facundo Rosas, afirmou que a exoneração é a primeira etapa de um plano de depuração das forças de segurança.
Outros 1.020 policiais estão na mira da secretaria por não terem passado nos exames e outros 465 enfrentam processo diante de um conselho da PF por violação de obrigações.
— Isso é parte do compromisso de consolidar uma Polícia Federal que torne reais princípios constitucionais de legalidade, honradez, eficiência, profissionalismo e respeito aos direitos humanos — afirmou Rosas.
Polícia prende um dos traficantes mais procurados Ontem, o líder do opositor PRI na Câmara, Francisco Rojas, criticou o presidente Felipe Calderón, a quem acusa de governar com “campanhas midiáticas, em vez de resolver os problemas”.
Tentando evitar o confronto político, Calderón limitou-se a condenar o assassinato de Marco Antonio Leal García, prefeito de Hidalgo, no estado de Tamaulipas, emboscado por homens armados na noite de domingo — num ataque que, segundo a polícia, foi deflagrado por traficantes e policiais corruptos.
“Esse crime covarde reforça o compromisso de continuar combatendo com todos os recursos os criminosos”, disse, em nota Por sua vez, a polícia prendeu perto da capital o traficante Edgar Valdez, conhecido como “Barbie” um dos criminosos mais procurados no México e nos EUA. Valdez, de origem americana, lutava pelo controle do cartel Beltran Leyva, que atua no centro do México. Sua captura foi comemorada pelas autoridades.
A Procuradoria Geral oferecia até US$ 2,26 milhões por pistas que levassem ao traficante.
Ontem, o terror chegou ao estado de Veracruz. Desde as 22h de sábado, traficantes trocaram tiros com o Exército mexicano num confronto que se arrastou por 12 horas na cidade de Pánuco.
Segundo o governador de Veracruz, Fidel Herrera, o tiroteio atingiu transformadores de energia, deixando parte da cidade às escuras. Ao menos seis bandidos morreram e cinco pessoas ficaram feridas.
À tarde, o único sobrevivente da chacina de San Fernando, o equatoriano Luis Freddy Lala Pomavilla, de 18 anos, foi repatriado sob forte esquema de segurança.
Ainda sob cuidados médicos, ele desembarcou em Quito em avião da Presidência.
— Ele corre riscos gravíssimos e, por isso, pedimos que não o procurem — pediu à imprensa local o chanceler equatoriano, Ricardo Patiño.
Corpo do mineiro Hermínio ainda sem identificação Enquanto em Tamaulipas avança lentamente o trabalho de identificação das vítimas da matança, na cidade mineira de Sardoá, na região do Vale do Rio Doce, parentes do jovem Hermínio Cardoso dos Santos, de 24 anos, ainda guardavam uma ponta de esperança de que ele tenha sobrevivido. Seu passaporte fora encontrado no local do crime, mas até ontem, não havia sinal do corpo.
— A espera é horrível. Não tem corpo, então temos que esperar.
Quem sabe não é ele? Meus pais estão muito chocados.
Era um menino muito bom, disse que ia chegar (nos EUA) e trabalhar para pagar as contas.
Nós ajudamos com o dinheiro da viagem — contou ao GLOBO Rose, uma das irmãs do jovem.
Num editorial, o jornal “New York Times” condenou ontem a chacina de San Fernando, lembrando que os cartéis são alimentados pelo vício e pelas armas americanas — além da demanda por mão-de-obra barata.
“Nós entregamos aos chefões da droga a tarefa de controlar nosso estoque de imigrantes, assim como controlam nosso estoque de narcóticos. Os resultados são claros”, diz o texto.
FONTE: O Globo