PM do ES entra em greve e estado pede apoio de forças federais

O Secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social do Espírito Santo, André Garcia, se pronunciou na manhã desta segunda-feira (4) sobre a atual situação do Estado em relação a paralisação da Polícia Militar (PM). 
"Estamos solicitando o envio de forças federais para o patrulhamento em todo o Estado do Espírito Santo. A informação que temos é de que haja a mobilização imediata, só falta a formalização que está acontecendo nesta manhã.”, disse o secretário. 
De acordo com o secretário, não haverá negociação com os familiares enquanto o policiamento não voltar às ruas. Garcia também solicitou apoio ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que se colocou à disposição para fornecer apoio federal.
André Garcia disse que o movimento é ilegal. "Nós adotamos desde o início medidas que tem o propósito de restabelecer a normalidade da prestação de serviço policial militar. A primeira premissa foi a suspensão das conversas até que fosse restabelecida a normalidade e que os policias possam atender as ocorrências e fazer o patrulhamento ostensivo. Diante da flagrante ilegalidade do movimento, seja um movimento espontâneo ou não, a configuração é claramente posta que não se trata apenas de um movimento espontâneo, o Governo do Estado ajuizou uma ação pedindo a decretação da ilegalidade e a decisão foi dada ontem determinando que o movimento é ilegal e que as pessoas saiam dos quartéis e permitam que a polícia volte as ruas", disse. 
O comando da Policia Militar (PM) foi modificado. "A situação emergencial nos levou a adotar muitas medidas do ponto de vista administrativo quanto judicial e a solicitação do envio de forças federais para a normalização do serviço do policiamento no Estado. Promovemos a substituição do comandante, o comandante Laércio assumiu uma posição de muita sensibilidade no momento, foi muito sensato e viu a necessidade de alteração, não por questão pessoal, mas em função do momento que estamos atravessando. Adotamos outras medidas de natureza judicial já declarando a ilegalidade do movimento e também a solicitação para que a gente tenha no Estado mais rapidamente possível, de imediato, por determinação do governador Colnago, que haja forças federais no nosso Estado já patrulhando as ruas independentemente  do policiamento que estamos organizando agora para colocar nas ruas. Quem assumiu foi o Coronel Nilton Rodrigues para a organização do policiamento. Temos policiais a pé em diversos locais e vamos checar isso na região metropolitana com supervisão do comandante e do Coronel Ramalho e vamos trabalhar com duas frentes para levar segurança para o cidadão para que a vida das pessoas sigam normalmente", informou André Garcia. 
Resultado de imagem para PM do ES entra em greve e estado pede apoio de forças federais
O número de crimes aumento desde a última sexta-feira (3). "Houve não só o aumento do número de homicídios como de outras ocorrências, isso é fato. A questão é que e infelizmente muitas pessoas se aproveitam dessas circunstâncias para difundir mensagens que geram pânico na população. Por isso que as mensagens oficiais tem sido feitas por vídeos. Só falo com a população através de vídeos ou pela imprensa para que a gente possa passar o que de fato está acontecendo. Não estamos encobrindo nada, houve ocorrências graves em função da ausência de policiamento e exatamente isso que demonstra a necessidade de retomada do serviço. Esse serviço é essencial, não pode descontinuar independentemente de tratativas de interesses corporativos". 
O presidente Michel Temer já conversou com governador em exercício Cesar Colnago na manhã desta segunda-feira (6). "O presidente Temer conversou com o governador em exercício Cesar Colnago agora pela manhã e já autorizou o envio das tropas e deve acontecer ainda hoje as primeiras movimentações nesse sentindo com a participação do Exército, certamente do 38º Batalhão", informou Garcia. 
Caso a decisão judicial não seja cumprida a multa diária é de R$ 100 mil a partir desta segunda-feira (6). “É o que está na decisão judicial e a procuradoria do Estado vai nos orientar”, disse o secretário.