Ministro prevê inicialmente força nacional e fuzileiros navais nos presídios

Resultado de imagem para fuzileiros nos presídiosRaul Jungmann, da Defesa, apresentou detalhes da medida que libera Forças Armadas para realizar operações de varredura em penitenciárias do país.




Ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta quarta-feira (18) que o governo prevê inicialmente a mobilização de mil homens das Forças Armadas nas operações em presídios. Ele afirmou que esse número pode aumentar, dependendo dos pedidos de governadores.
Nesta terça-feira (17), o governo anunciou, em meio à crise no sistema prisional, que as Forças Armadas poderão ser empregadas para fazer varreduras para buscar armas e drogas em cadeias, caso a operação seja solicitada pelos governos estaduais.
"A previsão inicial é em torno de mil homens e cerca de 30 equipes. Como atuamos a partir de demanda, esse número pode vir a crescer", afirmou Jungmann.
O ministro disse ainda que o orçamento inicial previsto é de R$ 10 milhões. No entanto ele ressaltou que, como o governo federal vai agir a partir da demanda dos estados, os valores podem mudar.
Segundo Jungmann, as Forças Armadas estarão prontas para as missões nos presídios em oito ou dez dias. Isso não significa, de acordo com o ministro, que as operações vão começar dentro desse período.
"Nós estaremos em condições operacionais, não é que iniciemos [as operações], mas dentro de 8 ou 10 dias estaremos, em termos operacionais, prontos", afirmou.Resultado de imagem para fuzileiros nos presídios
O ministro esclareceu que nenhum estado pediu, até o momento, a ação das Forças Armadas nos presídios. Mas ele acredita que isso pode ocorrer ainda nesta quarta, em reunião do presidente Michel Temer com governadores do Norte e de Mato Grosso.