Quatro pessoas são atingidas por balas perdidas em 48 horas no Rio

12/07/2016 12h38 - Atualizado em 12/07/2016 14h50

Quatro pessoas são atingidas por balas perdidas em 48 horas no Rio

Uma menina atingida por uma bala perdida no domingo sobreviveu.
'A dor que eu estou sentindo é muito grande mesmo', diz mãe de vítima.

Do G1 Rio
Em 48 horas, o Rio teve quatro casos de balas perdidas e três delas resultaram em morte. O mais recente foi o caso de Jessé Mendes da Silva, de 52 anos, atingido com um tiro na cabeça na Vila Cruzeiro na manhã de segunda-feira (11). Poucas horas antes, na Vila Aliança, Vanderson de Jesus Lessa da Silva morreu atingido por um tiro, cinco anos depois de ter ficado paraplégico por causa de outra bala perdida, como mostrou o RJTV.

Outro caso foi o da diarista Cícera Rodrigues da Silva, de 38 anos, também morreu atingida por uma bala perdida na tarde de domingo . O corpo dela ficou 24 horas no hospital Getúlio Vargas. Apenas uma menina, atingida na barriga e no braço na passarela 7 da Avenida Brasil, escapou com vida.

No caso de Jessé, ele esperava o filho chegar em casa. Segundo parentes, Jessé chegou a ser levado para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha, também na Zona Norte, mas já chegou morto. A Divisão de Homicídios está investigando o caso. A polícia vai tentar descobrir se o disparo que matou o pedreiro partiu da arma de suspeitos ou de policiais.

"Ele costumava alertar os filhos sobre possíveis tiroteios", disse um parente, que não quis se identificar. "Fica uma situação de impotência, né?", lamentou.

O caso de Vanderson, que trabalhava como administrador e utilizava cadeira de rodas desde que foi baleado em uma tentativa de assalto. Ele foi levado ao hospital Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Norte, mas não resistiu e morreu. Ele fazia exercícios e saía com os amigos. No velório, amigos e parentes estavam chocados com a tragédia.

"De diversão para gente [morador da Vila Aliança] não tem nada, só o baile. O que o caveirão vai fazer aquela hora no meio de um monte de gente inocente? O governador e o secretário de Segurança falam que eles não entram mais de madrugada em morro, mas quando é do interesse deles... Eles sabem que iam ferir inocente", diz o primo de Vanderson, Pedro Lessa.

A mãe de Vanderson também conversou com a reportagem do RJTV. "A gente não tinha condições, mas todo mundo ajudou para que ele melhorasse. Agora, a dor que eu estou sentindo é muito grande mesmo", lamentou Selma Regina.

Sobrevivente
A única que conseguiu sobreviver foi uma menina de 11 anos, atingida na barriga e no braço quando voltava para casa, no Complexo da Maré. Ela está internada em estado grave no Hospital Geral de Bonsucesso. A Policia Militar intensificou o patrulhamento e procurou pelos responsáveis. Até esta terça-feira, não havia presos.
A mãe de Vanderson de Jesus é amparada durante o velório do filho, morto por bala perdida (Foto: Gabriel Barreira/G1)A mãe de Vanderson de Jesus é amparada durante o velório do filho, morto por bala perdida (Foto: Gabriel Barreira/G1)

RECOMENDADAS PARA VOCÊ

loading...